quinta-feira, 26 de Março de 2009

Abrantes - parte 1





População - 40 349 (72º)
Área - 714,7 km2 (22º)
Densidade de empresas (Nº/Km2) - 4,2 (180º)
Volume de negócios por empresa – 265.900€ (51º)
Taxa de Criminalidade - 22,6 ‰ (215º)
Presenças nos Campeonatos Nacionais de Futebol – 79º



Situado no nordeste ribatejano, o concelho de Abrantes faz fronteira com os distritos de Castelo Branco (Vila de Rei) e Portalegre (Gavião e Ponte de Sôr).

A origem do seu nome remonta ao tempo Romano, em que o ouro retirado das águas fluviais baptizaram a zona como “Aurantes”, de onde se julga ter derivado o topónimo actual. A sua posição fez do concelho um reduto defensivo de relevo histórico.

D. João II e D.Manuel I chegaram a viver longos períodos no Paço Real de Abrantes. No Século XVI, seria mesmo uma das maiores e mais populosas povoações do País, sendo o comércio fluvial a sua principal actividade.

Em 1641, foi a segunda cidade (logo depois de Lisboa) a proclamar a Restauração da independência.

É conhecida como “cidade florida” devido aos concursos das Ruas Floridas, durante os quais a cidade é vestida de flores.

Das 19 freguesias que compõem o concelho, destacam-se alguns aspectos:

- vestígios arqueológicos em Alferrarede;
- o Miradouro das Fontes, virado para a Barragem de Castelo de Bode;
- Rio de Moínhos – segundo a lenda, foi no Convento da Graça que tiveram origem as célebres tigeladas;
- Tramagal foi o berço da Metalomecânica em Portugal;
- O poeta António Boto nasceu em Concavada.
Futebol

Abrantes nunca teve mais de dois clubes em simultâneo nos Campeonatos Nacionais. Isso aconteceu em duas épocas consecutivas (70/71 e 71/72). Todas as outras situações foram pontuais. Houve mesmo um largo período sem qualquer representante nos Nacionais. Em 1985, os Dragões de Alferrarede baixaram aos campeonatos da AF Santarém, dando início a dezoito anos sem abrantinos nos Nacionais, até que o projecto Abrantes FC atingiu a 3ªDivisão Nacional em 2003/04. Esta época, após duas faltas de comparência, foi desclassificado, acabando por ser suspenso por duas épocas.
O período de ouro do futebol concelhio durou 17 épocas (58/59 a 74/75). Durante esses anos, o Tramagal SU passou 7 épocas na antiga 2ªDivisão e 10 na 3ª.

Ao nível distrital, a UD Rossiense (47/48 e 48/49), o Tramagal SU (59/60 a 63/64, 65/66 e 66/67), Alferrarede (69/70, 72/73, 79/80) e Abrantes FC (2002/03) venceram a divisão principal da AF Santarém. Na Taça do Ribatejo, destaque para os 3 troféus conquistados pelo Tramagal SU – 80/81, 81/82 e 94/95.

terça-feira, 3 de Março de 2009

Surpresa na Venda


Quando se defrontam penúltimo e quarto classificado, espera-se uma vitória deste último. No passado Domingo, Venda do Pinheiro (penúltimo) recebeu o vizinho Malveira (4º). Mas este não poderia ser apenas um jogo entre penúltimo e quarto. A rivalidade é grande e o conhecimento mútuo ainda maior. Vários atletas do Venda do Pinheiro já alinharam pelo Malveira.

Aos 50 segundos de jogo, o pequeno mas irrequieto Káká fez o primeiro para os da casa.


O Malveira, equipa recheada de jogadores com alguma experiência dos Campeonatos Nacionais, ainda empatou pelo central Oliveira, oriundo do Futebol Benfica em Janeiro.


Pouco depois, Káká voltou a fazer das suas e Zé Pedro fez o 3-1 pouco passava da meia-hora de jogo.


A seguir viveram-se momentos de muita ansiedade. Paulo Cunha, médio da equipa da casa, com passagens pelo Alcochetense, Real, Encarnacense e Malveira, esteve bastante tempo a ser assistido junto do banco visitante.

Reentrado em campo, pouco tempo demorou a voltar a caír, sendo então chamado o INEM que acabou por conduzir o atleta ao Hospital. O jogo esteve parado cerca de 25 minutos. Entre o recomeço e o intervalo, pouco há a registar.

O segundo tempo inicia-se com um “forcing” malveirense. Aos 55 minutos, o árbitro Pedro Mota aponta a marca de grande penalidade. João Anjos, médio de 23 anos, a cumprir a segunda época na Malveira, desperdiçou a oportunidade de reduzir para 2-3 e, quem sabe, mudar a toada do jogo.

A partir daí, poucas oportunidade de golo se viram, tendo sido “a Venda” a causar maior perigo nas saídas para contra-ataque.

Os médios José Augusto (38 anos) e Teixeira (33 anos) foram autênticos guerreiros, apesar de contarem com alguma complacência do árbitro, em termos disciplinares. José Augusto nem sequer viu amarelo, apesar das inúmeras faltas que cometeu.


O capitão da equipa do Malveira, CASQUINHA, é um número 10 de 33 anos, com um curriculum assinalável, onde se destaca a época 1997/98.

Após duas épocas no Sertanense, regressou ao Alverca, onde encontrou o clube na antiga 2ªDivisão de Honra e alguns colegas que vieram a atingir maiores destaques. Dois deles fizeram parte da equipa do FC Porto que venceu a Champions com Mourinho. Falo de Deco e Maniche. Mas há mais. Aqui ficam alguns exemplos:

- José Soares, o central que Jardel não mais esquecerá;
- Hugo Costa, outro central. Só no escalão maior, alinhou no Gil Vicente, Beira Mar, Est.Amadora, Alverca, V.Setúbal e U.Leiria;
- Hugo Leal (jogador do Trofense);
- José Sousa (lateral-direito do Beira Mar);
- Veríssimo (mais um central, actualmente no Fátima);
- Bruno Basto, lateral que joga na Rússia, após passagens por França e Holanda.

Nessa época, Casquinha participou em apenas cinco jogos, iniciando depois um périplo por diversos clubes – Sintrense, Sertanense, Operário dos Açores, Oliveira do Hospital, Vilafranquense, Portosantense e Carregado. Cumpre a segunda época no Malveira. No Domingo, nunca conseguiu impôr o seu jogo, apesar de alguns passes longos que não enganam. Trata-se de um atleta com qualidade acima da média evidenciada na Divisão de Honra.

Poderá ter sido apenas uma má tarde. Os adeptos malveirenses presentes não perdiam uma saída de bola para questionar os seus atletas. “O que é que se passa hoje?”, foi a pergunta mais ouvida. Certo é que, dos quatro primeiros classificados, o Malveira pareceu-me o que menos soluções apresenta para lutar pela subida. A rever.

Quanto ao Venda do Pinheiro, afigura-se difícil a luta pela manutenção. No próximo Domingo, desloca-se ao campo do Sporting de Lourel, outro dos aflitos.