domingo, 21 de Junho de 2009

O renascer do Águias





Terminaram as suas séries em terceiro lugar, pelo que a Associação de Futebol de Lisboa (AFL) convocou A-dos-Cunhados e Águias de Camarate para discutir o último lugar com acesso à 1ªDivisão Distrital. O A-dos-Cunhados apenas em duas ocasiões não alinhara no último escalão distrital, pelo que a oportunidade era histórica. Do outro lado, o Águias de Camarate procurava um regresso a palcos mais condizentes com o seu palmarés. Em 1999/00, o clube dos arredores de Lisboa alinhou na antiga 2ªDivisão B, naquela que foi a época de maior destaque da sua História. De então para cá, ainda se manteve 3 épocas na 3ªDivisão Nacional, até caír nos Distritais. O regresso foi complicado, de tal forma que a manutenção foi mantida a muito custo nas primeiras duas épocas. À terceira, a descida foi inevitável. No entanto, o pior veio depois com nova descida. Assim, 2007/08 vê o Águias alinhar na 2ªDivisão da AFL, último escalão associativo. Não fez melhor que um sétimo lugar, pelo que repetiu a presença nesta época. A velocidade da queda foi muito semelhante à da primeira participação do clube nos Nacionais. A época 1980/81 foi a primeira do Águias de Camarate na 3ªDivisão Nacional. O que talvez poucos recordem é que essa estreia foi o resultado de 3 subidas consecutivas! O clube de Camarate venceu a 3ªDivisão da AFL em 77/78, a 2ª em 78/79 e foi vice-campeão da 1ª em 79/80,conseguindo a subida.

Domingo passado (14/6), as duas equipas entraram em campo com dois onzes muito diferentes. O que veio de A-dos-Cunhados apresentava uma média etária superior a 30 anos, enquanto que a média dos Águias de verde-e-branco pouco passava dos 20. Este factor viria a pesar durante grande parte da partida.


Ainda para mais, Essien (central do Camarate) transformou em golo o primeiro remate da partida, sessenta segundos após o apito inicial da árbitra Vanessa Gomes.



A equipa do concelho de Torres Vedras nunca conseguiu reagir durante o primeiro tempo, destacando-se a prestação do camisola 28 do Águias, Nuno Mota, jogador de 20 anos que terá passado pelos Juniores do V.Guimarães. Foi claramente o jogador mais esclarecido em termos técnicos, pertencendo-lhe os melhores lances da primeira parte.



A segunda parte começou com o Águias a procurar o segundo golo mas tendo sempre pela frente Pedro Vicente. O guardião do A-dos-Cunhados foi adiando aquilo que parecia inevitável.


No entanto, aos 60’, no único lance em que conseguiu fugir à marcação de Essien, Bruno Vitorino faz um belo golo, empatando a partida.

A jovem equipa de Camarate sentiu o golo e os experientes jogadores do A-dos-Cunhados tiveram um pequeno período de supremacia inédita na partida.

Aos 72’, Rui Almeida (técnico do Águias) trocou dois dos seus jogadores. Um dos que entrou na partida foi Té. Tanto quanto consegui apurar, trata-se de um avançado de 40 anos que jogou no Frielas na época passada.

Ao minuto 82, na sequência de um cruzamento do lado direito, Té cabeceia já à entrada da pequena área, fazendo o 2-1. O jogo parecia decidido, apesar da vontade demonstrada pelos jogadores do A-dos-Cunhados. Seis minutos depois, a equipa de arbitragem colocou-se no centro da única polémica do jogo, e por culpa própria.

Em vantagem no marcador e a pouco tempo do final da partida, o técnico do Camarate dá instruções para que fossem realizadas duas substituições. As placas com os números 80 e 15 são levantadas, mas apenas o dianteiro Tiago sai do recinto de jogo. O lateral-direito Pedro Júnior retarda a saída de campo, começando apenas a percorrer o seu caminho após o auxiliar do lado contrário se aperceber da situação e chamar a árbitra. Esta acaba por se dirigir ao seu auxiliar e, após uma troca de palavras, corre para o local das substituições. No entanto, não mostra o amarelo ao jogador do Camarate (seria o segundo) e permite a substituição. O auxiliar volta a chamar Vanessa Gomes que, após segunda conversa, acaba por anular a substituição, expulsando Pedro Júnior. Esta situação fez com que os últimos minutos fossem de alguma contestação dos adeptos do Camarate que aumentaria três minutos depois, quando a árbitra do jogo assinalou uma grande penalidade na área do Águias. Chamado a converter, o guardião do A-dos-Cunhados rematou sobre a barra da baliza de Da Silva. A oportunidade de prolongamento gorava-se. O Águias de Camarate estava de volta à 1ªDivisão da AFL, após duas épocas na 2ª.



Nota final para os largos minutos de espera que a equipa de arbitragem proporcionou às três equipas em campo, já depois do final da partida. Presumo que a explicação esteja no comunicado da AFL que oficializou a marcação do jogo. Referia que, após o final do jogo, se procederia à “entrega da taça e medalhas aos participantes do jogo, pelo que, as três equipas intervenientes não podem recolher aos balneários, perfilando para a referida cerimónia”.



A AFL terá usado a minuta do jogo da Final da 2ªDivisão entre MTBA e Cheleirense, jogado à mesma hora na Ericeira. Aí houve taça de Campeão para o MTBA. No Livramento, houve uma imensa festa verde e branca.